terça-feira, 20 de janeiro de 2009

What if the mightiest word is love?

Hoje, como todos sabem (quando lerem isto já foi ontem, mas 5 horas de diferença horária ainda faz uma certa confusão), a presidência dos Estados Unidos passou do Presidente Bush (lala...) para o Presidente Obama (yay!). Os Estados Unidos quase que pararam ao meio-dia. O resto do mundo deve ter semi-quase-parado :P Mas o que sei, é o que se passou por estes lados mais perto de Washington, e na minha escola, ligámos todos as televisões em cada sala e estivemos a ver a inauguração e a tomada de posse do novo Presidente.

Muita coisa me chamou à atenção nesta inauguração, não só o que se passava em Washington e que foi mostrado para o mundo, mas também o que se passava à minha volta. Começemos pelo que se passou em Washington:

- Discurso(s): Adorei o discurso do agora Presidente Obama. Simplesmente cinco estrelas... Sim, quando ele estava a dizer o "oath" enganou-se e teve que repetir duas vezes ;P Mas é uma enorme responsabilidade, e o homem é humano! E sem dúvida tudo aquilo foi compensado pelo discurso dele, que falou de tudo e sem ser maçador, falou de tudo e captou a atenção, falou de tudo o que é importante e que é necessário no meio desta crise que estamos a passar. Falou nos antepassados fundadores da América, os emigrantes que suaram para hoje em dia as gerações actuais poderem estar aqui livres (e não ligarem nenhuma ao passado... o que é uma tristeza...), falou no presente, nas dificuldades, nas coisas boas; falou em terrorismo, disse que não há quem deite esta nação abaixo (e lá que é difícil, é, talvez até impossível...), e falou em Deus. God Bless America, isso não podia faltar.

- Adorei a parte onde tocaram violinos, clarinetes e tudo o mais. Deu um certo "ambience" à inauguração... gostei :)

- Gostei do poema escrito e interpretado por Elizabeth Alexander (ahhh epá, é do nome, é do nome da senhora que é bem bonito ;)), principalmente na parte em que ela disse: "What if the mightiest word is love?" Sim! Será que é essa a resolução aos problemas todos do mundo? Amarmo-nos? Não só o amor da nossa vida, ou a família, ou os amigos, ou o amor ao clube ou à nação. O amor a tudo... ao vizinho do lado... ao planeta... aos animais... amor a quem odiamos... Será que isso não resolvia tudo? O problema é: é impossível TODA a gente amar TUDO. Aí é que está o problema Mrs. Alexander :P

E continuando pelo que se passa à minha volta:

- Uma das coisas mais notáveis nesta campanha, tomada de posse, etc., e o que torna tudo isto histórico, é o facto do Presidente ser de raça negra. Muita gente espera que isso mude o ódio contra os negros. Não me parece que mude. Quem tem rancor a uma cor de pele diferente vai continuar a sentir algo que eu acho estúpido, insensato, e poderia continuar, mas não vou. Isso vai continuar a acontecer, e não vai interessar muito se o Presidente de cor negra vai aparecer todos os dias na televisão ou não. O que vai mudar, é a força dos afro-americanos. Isso sim. Quantos eu vi a chorar hoje durante a tomada de posse... felizes, mais um passo à frente na caminhada que eles já levam à muitoo tempo... O próprio Obama disse: "à 60 anos, pessoas como eu não poderiam entrar num restaurante; hoje, estou a dizer das palavras mais sagradas que há".

- Outras duas coisas me chamaram à atenção neste mar de americanos. Uma foi o facto de todos os americanos do 12º ano que estavam na sala comigo terem ficados muito espantados do porquê de este evento ser tão importanto para o resto do mundo... Eles NÃO têm a noção do quanto as decisões que este Presidente, que este país toma, impactam o resto do mundo. Vivem dentro de uma jaula quase. A Europa é como se fosse a terra encantada dos descobrimentos porque está cheia de castelos e História com reis, rainhas e batalhas travadas... Mas que uma pequena descida/subida na moeda com que eles compram coca-cola todos os dias influencia o mundo inteiro, isso eles não sabem, nem querem saber.

E acho que é tudo o que tenho a dizer :) Hoje assisti a um momento histórico em directo, e sinto-me feliz por isso. Sinto-me feliz por ter percebido cada palavrinha dita por toda a gente (quando cá cheguei, à 2 anos e meio, tinha dificuldade em perceber o que estes Americanos diziam principalmente na televisão). E sinto-me feliz porque espero que haja mudança.

The Change We Need.

Yes, We Can.

Yes, We Will.

And God Bless the United States of America (embora eu não seja muito crente nisto :P)

P.s.: E estava tudo com medo que o homem fosse morto (alguns esperavam e gostavam que isso acontecesse...) mas com 150 milhões de doláres gastos (90 milhões vindos directamente dos impostos dos cidadãos/residentes) nesta inauguração, a maior parte deles em segurança, é bom que ele não tenha sido morto, ou não sei onde é que esta gente andaria a gastar o dinheiro...
:)

23 comentários:

Papinha disse...

Olá Lize,

É sempre bom ouvirmos ( lermos), a visão de quem está do outro lado do Mundo a assistir em directo e a sentir o que o ambiente lhe transmite. Há coisas que só in loco nos apercebemos...

Apesar de discordar num pequenino ponto, relativamente à economia... mesmo sabendo que quando os EUA vão abaixo meio mundo vai atrás... com o diferencial entre o dolár e o euro... uma "coca cola já não tem o impacto que tinha noutros tempos"... ( claro que aqui não falo do poder militar nem politico dos EUA, que é inquestionável!!)


Beijinhos deste lado do Mundo
P@pinh@

Blad3 disse...

Bem só me resta desejar boa sorte oh mr Obama ;>
Pode ser o novo Bobby ;P se bem k o Bobby morreu logo a seguir ter ganho ;<

Ianita disse...

Disseste uma coisa muito importante... uma coisa que todos sabemos... os americanos não querem saber dos outros. Os americanos não têm noção do impacto que as suas decisões têm no Mundo. Na vida e na morte, mais até que no bolso. Uma arrogância parva que faz com que, mesmo havendo americanos bons e menos parvos,o Mundo não goste dos americanos... E isto é mau. Muito mau mesmo.

Quanto ao Obama... tenho esperança. Muita. Que ele possa mudar alguma coisa. Que ele possa restaurar a nossa confiança e mudar as nossas vidas.

God speed :)

Kisses

poeta_poente disse...

Lize, acho que disseste tudo. A tua análise está excelente. Quando a América espirra o resto do mundo constipa-se, infelizmente é mesmo assim.
Boa sorte, para ele, para ti e para todos nós.

Só uma pequena correcção ao Blade, se me permites, Bobby Kennedy foi morto após ter sido eleito como candidato Democrata à presidência, já o irmão JFK, foi morto enquanto presidente mas dois anos depois de ter sido eleito.

Beijo

coisas minhas disse...

pergunto me se nao estaremos a meter demsiada espectativa no obama.. tods o adoramos
*******

najla disse...

Consegui ver online à tomada de posse do Obama, apesar de estar no trabalho.
Esperemos muito sinceramente que este senhor mude muita coisa, mas julgo que existe um trabalho muito mais profundo e que não acredito que se mude nestes anos de mandato que é a mudança de mentalidades. O que continuo a duvidar nos próximos anos...
Realmente deve ser um grande desafio a todos os agentes de segurança manter este homem e a sua família viva!
Um beijinho deste cantinho

Blad3 disse...

Hmm poeta tens razão! Tinha lido uma falácia eu ! :)
E depois vi também o filme "Bobby" daí ter-lhe chamado por esse nome xD

Falácias existem ;), ainda bem que a net existe para esclarecer :)

manzas disse...

Interessante blogue,
Gostei e voltarei...

Sem nada saber
Sem nada dizer
Sem nada falar…
É um simples ser
Que expõem o seu pensar
Proferindo a frase certa…
Ao descrever o seu ver
Distingue-se ao escrever
Como um louco poeta

O abraço…

spritof disse...

O amor muda toda a nossa visão das coisas, e os nossos objectivos.
Claro que há várias formas de amar, ou de se fazer amar...

Eu concordo com a perspectiva da Mrs. Alexander...mas só acrescentaria uma coisa...
...tolerância!

Acho que com estas duas...iriamos muuuuuuito longe.

tickets4three disse...

É mesmo verdade, não existe essa percepção do verdadeiro impacto e importância da cultura americana no mundo e não só, eles são completamente alheios ao peso da politica e consequentes impactos na vida da Europa e resto do mundo...

post Excelente.
beijokas

Philip Rangel disse...

O mundo blogueiro é vasto mesmo....passei em um blog amigo e achei o seu....conteudo..poesias...noticias....
blog q te faz voltar sempre...participar....

parabens pelo conteudo aqui apresentado.....

abraços

Philip Rangel

Lize disse...

Papinha, :) Sim, o valor do dólar, ou de uma coca-cola, já não tem o mesmo impacto, mas eu nunca disse que tinha ;P Disse é que uma subida ou descida influencia muita gente. :P

Blad3, já te corrigiram a gafe ;P Eu também lhe desejo muita sorte que bem precisamos.

Ianita, não poderia concordar mais contigo... Também tenho esperança nisso :)

Poeta_poente, obrigada pelo elogio e pela correcção ;) Não quero lapsos no meu blog ahah :P

Coisas minhas, sim, estamos, mas tenho a plena noção de que ele milagres não faz :P

Najla, sim, é um desafio dos grandes... :P

Blad3, ;)

manzas, espero que voltes! E que me delicies com esses poemas mais vezes :)

spritof, concordo contigo... mas é algo muitoo difícil... :)

tickets4three, "alheios", é essa mesma a palavra certa... Obrigada :)


Beijocas a todooos :)

Lize disse...

Philip Rangel, ainda bem que gostas e obrigada :)

Beijocas :)

Anita disse...

adorei o post e adorei a cerimónia principalmente pela esperança que ficou no ar:) Yes We Can!!!

Beijinho.

Lize disse...

Anita, obrigada :) E é isso mesmo, esperança...


Beijocas :)

Bruno Fehr disse...

É um grande homem, não o Obama, mas o jovem de 27 anos que lhe escreve os discursos. Bolas o puto escreve mesmo bem!

Quanto ao Obama, nunca depositei esperanças nele, antes de tomar a posse já tinha voltado com a sua palavra atrás, mudou a frase "I am bringing the troops home" para "I am moving the troops from Irak to Afghanistan"

Eu esperava ver um Obama de palavra, um renovador que se arriscaria a ser um novo mito Americano ao lado de JFK, após ser morto por ser inconveniente, mas já vi que ele irá ser mais uma marioneta nas mãos do verdadeiro Uncle Sam.

A diferença, estará na cor de pele, que até deixou africanos a festejar como se isso fosse alterar as suas vidas.

Lize disse...

Bruno Fehr, dou comigo a ter que concordar contigo... Seja como for, ele traz esperança e uma certa mudança, seja essa grande ou pequena. O resto... política é política... e tu muito provavelmente sabes disso melhor que eu. Quanto ao "puto" de 27 anos (ahahah então que serei eu ;P) realmente escreve maravilhosamente bem, e ouvi isso ontem no telejornal :) Mas puto como é, tiraram-lhe uma foto a (praticamente) apalpar um dos seios da Clinton xD Isso já não é tão bonito assim :P


Beijocas :)

Salto-Alto disse...

Eu gostei muito de assistir a todos os últimos acontecimentos. Não consigo deixar de sentir uma esperança... :)

Lize disse...

Salto-Alto, e isso mesmo... Esperanca, e a palavra chave disto tudo :)


Beijocas

DRACULEA Café Bar disse...

"Love is the answer"...

Lize disse...

DRACULEA Café Bar, yes indeed :)


Beijocas

Sanxeri disse...

Tambem andei com o cisma de que osenhor seria assassinado. :S nao sei porque, mas deposito bastante esperança nele.

Lize disse...

Sanxeri, é normal andar-se com a cisma, porque havia muita gente que se pudesse, e se fosse fácil, o teria feito.
O porquê de se depositar tanta esperança nele, na minha opinião, tem duas razões:
1. se não tivermos nele, não temos em mais nenhum presidente de nenhum país;
2. o homem fala bem, e lê os discursos escritos por um génio da escrita de 27 anos, que é simplesmente... epá, não me importava de ler o blog desse tal de 27 anos se ele o tivesse, porque tudo o que ele escreve é simplesmente lindo e preciso.

Beijocas :)