quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Weakness *.*



But the apartment decor quickly vanished from my thoughts as Mal pulled me into his bedroom and began to kiss my neck. I have always had a weakness for having my neck kissed, and Mal was particularly good at it - the perfect proportion of pressure and movement as his lips moved slowly from the hollow of my throat to the sensitive patch just under my ear.
"You have goose bumps," Mal said, running one hand down the inside of my arm to demonstrate. Which, of course, caused even more goose bumps to rise up.
I leaned into him, pressing my body to his. His response was gratifying. The way his breath grew shallow and his body curled into mine thrilled me. Then, suddenly, his touch wasn't so gentle. His kisses bruised my lips, his hands gripped at my wrists, his thigh moved in between my legs. I didn't mind. To the contrary, his need and want fueled my own excitement. I just wanted more of him.
More, and more, and more.

Excerto de: "Good luck" de Whitney Gaskell
P.s: Amei o livro :) Começei-o antes de ontem. 385 páginas depois, acabei-o (durante a aula de Matemática, mas não digam a ninguém xiuuu :P) E esta descrição... Ais. Conjunto de coisas que me levam à lua, diz alguma coisa? :P
P.s. 2: Agora estou mais preocupada com o poste de luz em frente aqui ao apartamento. Estúpidos dos camiões que não devem passar nesta rua paralela à rua principal (por causa de uma curva demasiado apertada, que poucos conseguem fazer) teimam em fazê-lo, e hoje (de noite, são 21.56 hora local) um dividiu de vez o poste a meio, que ficou suspenso nos fios de electricidade, e a outra metade ficou de lado, mas no chão, com as pedras no passeio todas tiradas do sítio. Mas é claro, América é América. Poucos minutos depois já cá estavam uns 4 polícias, o carro da companhia de telefones e um carro com um género de elevador da electricidade. Eficiência americana é sem dúvida alguma a melhor coisa desta terra. :P Pronto, nunca acontece nada por aqui, por isso fica aqui este sucedido maravilhoso. Pelo menos quebra a rotina ;P

7 comentários:

poeta_poente disse...

Lol, e eu a pensar que só aqui é que não se passava nada :p

Mas se fosse cá, esse poste estaria assim pelo menos dois dias. Depois vinha o técnico ver, depois vinham remover, depois esperávamos mais um mês pela verba para comprar um novo, e por fim vinha o técnico decidir onde e como se punha o poste, e finalmente vinham pô-lo. No dia seguinte vinha outro camião e tungas!!! lollol

Quanto ao livro, deixaste-me muito curioso, hummm acho que graças a ti a literatura erótica vai entrar na minha biblioteca

beijinhoooooossss

Lize disse...

Poeta_poente, acredita, entre Fall River e Redondo (é Redondo não é?), passa-se mais coisas interessantes por aí ;P Sem ser a neve. Aqui há neve. E sim, definitivamente por aí isso é assim :P Aqui basta um pequeno toque e ai jasus dos céus que temos 2 ambulâncias, 3 carros de polícia (okay, também estou a exagerar :P) e tudo em polvorosa. Mas ainda bem. Pelo menos as coisas funcionam.

Quanto ao livro, não era propriamente erótico... tinha umas 3 cenas que podem ser consideradas eróticas sendo esta a mais detalhada (e melhor, com o amor da vida dela, e bla, bla, bla ;P). De resto, era um livro sobre amor, fama, riqueza, o que o dinheiro pode ou não comprar e SOL... mais especificamente, Florida :P

E com isto me vou, que eu preciso do meu banho e sono de beleza.

Beijocas poeta :D

Soraia disse...

Na aula de matematica é para se estar atenta à materia que a professora dita, nao é para estar, à surrateirinha a ler um livro que nada tem a ver com a disciplina lol lol.
se fosse tua colega tinha-me chibado eheheh
(esperava que nao te chibasses de mim por tb estar desatenta lol lol)

beijinho

Lize disse...

Soraia, o setor deve ter dado por isso, mas nao diz nada. Desde que nao esteja a distrair ninguem. :P

Beijocas

PAULO LONTRO disse...

Sabes qual é a diferença Lize?
É que se aí o estado fizer cagada e alguém se magoar, processa-se o estado e fica-se rico, logo o estado está atento.
Aqui , até podes processar, mas nunca há culpados, quem se lembra da ponte de Entre-os-Rios?
Foi declarado “acidente da Natureza”, ninguém teve culpa, foi a chuva, foi o vento, foi o rio, foi o caralho…
É que não dá jeito processar o rio ou a chuva e muito menos o caralho…

Ricardo disse...

Não conheço o livro, mas o facto de quebrar a rotina agradame! :)

Beijo

Lize disse...

Paulo, é mesmo... :S ahah Mas fizeste-me rir e bastante xD Processsar o caralho... Um dia hei-de arranjar advogado para tal proeza ;) ;P ahahah Mas sim, é uma vergonha, e das grandes...

Ricardo, provavelmente o livro nem está à venda em Portugal. Nem é extremamente conhecido :P Gostei da capa, do resumo da história que vinha na contra-capa, e comprei-o. E adorei :P

Beijocas aos dois